O Vampiro da Meia-Noite - Cap.2 Castelo de Bran - Drácula...



 No dia seguinte, o passeio aconteceu como o planejado, nós chegamos ao castelo/museu umas nove e quinze. Ele já estava aberto. Pandora nos guiava como uma guia turística e explicava o nome das coisas, objetos. Eu adorei os salões. Fernando quase que se perde num dos corredores, o que causou muita diversão para Pandora. Os textos dos murais contando as histórias de vampiros e os vídeos eram muito interessantes. Fernando se interessou mais por ver as gravações do século XX sobre a Corte, os nobres e seus costumes.                
 Eu quase passo mal, por causa das escadas, que eram muitas. Depois de umas três horas e meia os outros ligaram pedindo que Fernando fosse buscá-los. Como eu estava muito enjoada, preferi voltar com Fernando para o hotel. Enquanto isso, Pandora disse que ficaria e esperaria pelos outros. É claro que ela não iria desperdiçar essa chance de poder andar mais rápido, sem ter que esperar por mim ou por Fernando, perdido.       
 Pandora continuou a excursão sem nós. Na verdade ela achou melhor assim. Ela tirava fotos, fazia vídeos, pegava panfletos, conversava com outras pessoas sobre o lugar. Ela adorava fazer isso porque tinha a oportunidade de repassar suas inúmeras lendas sobre vampiros, histórias sobre a Transilvânia, sobre o século XX, entre outras. As pessoas que a escutavam ficavam extasiadas com seu conhecimento, com sua maneira distinta de falar, com sua seriedade e ao mesmo tempo faceirice.

--- A Transilvânia é uma região histórica da Europa Central, constituindo a zona centro-ocidental da Romênia. A sua capital é a cidade de Cluj-Napoca. A região ficou mundialmente conhecida devido a Vlad Tepes III, príncipe da Valáquia, também conhecido nas histórias populares como o Conde Drácula, nascido na localidade de Sighişoara... Falava Pandora com a voz grave até que foi interrompida.
--- Esse Vlad era um monstro. Fazer o que ele fazia... somente sendo um! Exclamava um homem baixo, gordo, de aproximadamente quarenta e cinco anos, os cabelos grisalhos e a pele denunciavam isso.
--- E o que ele fazia? Perguntou Pandora com ironia, pois é claro que ela sabia a resposta.
--- Ele bebia... O sangue dos rivais mortos nas batalhas... E ele era um assassino e...
--- Chega! Disse Pandora asperamente e depois começou a rir. O senhor sabe superficialmente essa suposta história. Tudo se tratava de costumes, ora essa, o senhor queria o quê? Que Vlad perdoasse os rivais depois da guerra e que lhes servisse um chazinho? Vlad III era sádico e possivelmente louco, porém era respeitado pelos seus cidadãos como um governante que não admitia o crime entre os seus subordinados. Sem falar que são histórias do povo...
--- Quer dizer que a senhorita acha isso normal... certo?
--- Não cabe a mim isso de achar normal ou anormal, certo ou errado, as coisas são como devem ser, ou não! O que importa é que toda essa história do príncipe da Valáquia pode ter inspirado Bram Stoker a escrever um clássico da literatura universal, o livro Drácula em 1897. Agora, Pandora já estava menos irônica e mais informativa, porém houve outra intervenção, dessa vez de uma mulher, de uns trinta anos, que estava perto do senhor citado anteriormente, aparentemente ela era filha dele, pois parecia que ela queria de alguma maneira contrariar as informações de Pandora para defender o pai ou parente.
--- Não acho que Drácula seja um livro tão importante, clássicos são muito cansativos e nem sempre são bons e esse Bram Stoker... Quando ela ia continuar com esse absurdo Pandora a interrompeu.
--- Quantos absurdos que essa senhorita acaba de pronunciar, é como dizia Oscar Wilde através do prefácio de seu livro, O Retrato de Dorian Gray, também um clássico universal, assim eram mais ou menos suas palavras: São corruptos e deselegantes aqueles que nas obras belas, descobrem significações grosseiras, isso é um erro... Quando Pandora ia continuar a segunda parte da citação de Wilde, uma voz a interrompeu, mas dessa vez era outra voz, não escutada antes. Era a voz mais linda que ela já tinha ouvido na vida, a melodia era perfeita e encantadora, por um instante todos tiraram os olhos de minha irmã e se voltaram a quem falava.
--- E continuando o que a linda senhorita iria falar, eu faço questão: ''E aqueles que descobrem nas belas obras, significações belas, esses sim são os espíritos cultos, e para esses existem a esperança'', segundo Wilde.

Todos aplaudiram, era incontestável o que Pandora e esse belo rapaz tinham afirmado segundo as citações desse clássico de Wilde. A moça e o senhor da discussão anterior saíram envergonhados e de cabeça baixa. Alguns riam, outros davam os parabéns pelas lições e pelas belas frases, até mesmo os instrutores do castelo/museu e guias turísticos bateram palmas e deram os cumprimentos pela "palestra".
Porém, Pandora não conseguia ouvir e nem ver nada além do dono daquela linda voz que tinha completado seu discurso do livro. Eles se olhavam fixamente, ela riu para ele num gesto de agradecimento e ele respondeu com outro sorriso, que fez Pandora quase cair em cima de um rapaz que lhe abraçava.
Neste instante ela saía do torpor da situação e viu que quem a abraçava era o seu noivo, Fernando, ele tinha chegado ao final do debate, mas ouviu suas últimas palavras.
--- Isso foi lindo, amor, você fala muito bem, fico feliz de me casar com uma erudita. 
--- O que você está fazendo aqui, Fernando? A voz de Pandora saiu entrecortada e com tons de surpresa.
--- Ora essa meu bem, vim buscar você e trazer os outros!
--- Onde estão eles?
--- Subindo as escadas, a maioria deve ter desistido. Agora Fernando estava rindo.
--- Fernando eu não vou agora, eu tenho que... Dizendo isto ela olhou para trás e, com um gesto de desapontamento, viu que a imagem daquele homem tinha desaparecido.
--- O que foi Pan? Fernando perguntou por causa da cara que minha irmã fez ao olhá-lo.  
--- Nada, na verdade, eu acho que já está bom por hoje, vamos?
--- Vamos.

No caminho, Pandora não pronunciou uma palavra, ela vinha pensativa, às vezes eu pensava que ela estava dormindo de olhos abertos. Ela não conseguia parar de pensar em August e não tinha como ser diferente, ele era absurdamente lindo. Ele aparentava ter uns vinte e seis anos, a pele muito branca, por vezes pálida, o físico era forte, alto e atlético, os olhos eram verdes, os lábios vermelhos, os cabelos eram castanhos e um pouco encaracolados com anéis de mechas douradas. Porém o que mais impressionou Pandora foi a voz e o olhar do rapaz.
Quem está lendo isso, neste momento, deve querer saber como eu sei de tudo isso, principalmente das cenas que não presenciei, ou as coisas que estou adiantando, como o nome deste personagem fantástico, mas isso é muito simples, eu li tudo num pequeno diário de minha irmã, pouco antes de seu desaparecimento. Infelizmente o diário desapareceu e eu não pude guardá-lo para provar o final desta história, que estou escrevendo, para nossa família.
À noite Pandora não veio jantar conosco, ela me ligou dizendo que não queria ser incomodada, pois estava com dor de cabeça, Fernando ficou preocupado, ela quase nunca tinha enxaqueca.

--- Carolina, quando você falar com Pan, me avise, eu estou preocupado, fui falar com ela e a encontrei muito estranha.

--- Sim Fernando. Respondi-lhe.


 Continua!




Lizandra Souza 

8 Comentários:

Lola Mantovani 9 de maio de 2013 16:44  

Adorei, no tempo que estivesse longe do computador eu ficava pensando e qual capitulo a série já estava, adorei esse.
beijos

Flávia Cervo 16 de maio de 2013 08:34  

Muito legal seu post!Aliás o blog é muito fofo,bem organizado e informativo!Já estou seguindo!bjus

http://flaviacervo.blogspot.com.br/

Lizandra Souza 17 de maio de 2013 05:10  

Obrigada! Já fui conhecer o seu. Gostei, seguindo também viu!

Bjss.

Lizandra Souza 17 de maio de 2013 05:11  

Ah, tentei comentar, mas não dava certo : ( mesmo já seguindo, dava erro?!

Kathlleen Kristine 30 de maio de 2013 18:28  

Liza! tem selinho pra vc la no meu blog
http://kathlleenkristine.blogspot.com.br/2013/05/selinho-este-blog-e-para-os-coracoes.html

qualquer coisa te mando o post por email, ja que la é protegido de copia. bjus

António Jesus Batalha 3 de junho de 2013 05:24  

Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom,
li algumas coisas folhe-ei algumas postagens,
gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha.
Deixo-lhe a minha bênção.
E que haja muita felicidade e saúde em sua vida e em toda a sua casa.
PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

Sabrina Errera 6 de junho de 2013 18:09  

Olá Liza,tudo bem?
Adoro suas histórias, sempre fico querendo saber logo da continuação. Quando eu era pequena morria de medo de vampiros,rsss.
Convido você à participar do sorteio de aniversário do blog, você vai adorar.
http://sabrina-errera.blogspot.com.br/2013/05/sorteio-de-aniversario-do-blog-sabrina.html
Super beijo,
Sah Errera

soledad vargas 29 de junho de 2013 21:38  

oi lindona que deus te abençoe mais e mais na sua vida!!
adorei seu post...
é bem interessante e muito legal :)
me encantei aqui,realmente me senti bem aqui
e eu orgulhosamente seguindo voce!!! S2
me segue de volta!!!
e clica (leu?) aonde tem o gatinho preto!!
só voce pode me ajudar, por favor!!!
ficaria muito honrada e grata!!
sucesso!!

dicasdesole.blogspot.com.br

por favor!!!
meu instagram: http://instagram.com/dicasdesoleoficial
meu fanpage: https://www.facebook.com/pages/Dicas-de-

Sole/369624373146491

Beijokass da tia sole para voce !!

Postar um comentário

Obrigada por comentar.

  © Loucuras e Devaneios by Liza

Design by Emporium Digital