Capítulo 18. Fim de Semana Mortal: A primeira aventura de Emily Park


De repente foi um amontoado de pessoas em cima da jaula, não dava para escutar direito, mas eu sabia que Felix estava gritando, agonizando, sofrendo com todas aquelas pessoas se espantando de sua figura horrenda, ele se aproximava querendo estrangular os convidados e eles riam de Felix, estavam pensando que tudo era uma brincadeira.

O DJ colocou a música Fear the Dark, do Iron Maiden, as pessoas tiravam fotos, dançavam, gritavam, tinham medo e riam em torno de Felix, enquanto isso ele pulava e gritava exasperadamente. Eu peguei o microfone e mais uma vez falei.

--- É incrível como vocês têm coragem de ficar perto desse assassino, isso é um monstro. Mesmo assim, divirtam-se.

Os convidados batiam palmas, davam felicitações, essa festa a fantasia para eles era realmente muito divertida, até tinha uma atração horripilante como Felix. Eu não insisti mais em fazê-los acreditar quem era Felix, pois poderiam chamar a polícia antes do tempo e acabar com meu plano.

Quando fez uma hora que Felix agonizava caído no chão da jaula eu decidi me vingar por completo. Disse a Estevão que já estava na hora, que eu iria levá-lo para casa e lá chamaríamos a polícia para entregá-lo. Eu mentia. Estevão pensava que eu iria entregar Felix para as autoridades, o que eu não fiz.

--- Emmy, não faça nenhuma loucura, te encontro em casa em mais ou menos uma hora, só é o tempo de terminar tudo aqui, me despedir de todos sem suspeitas e chamar a polícia.
--- Claro!

Ele não percebeu a ironia, eu apertei o controle e a jaula subiu de novo para o teto automático sob o camarim. Quando entrei e vi Felix senti um dos maiores prazeres de minha vida. Ele não estava mais furioso, estava triste e desesperado.

--- Emmy, por favor; sei que não deveria te pedir nada, mas por tudo que você mais ama, me mate agora e rápido... ou lentamente, mas mate-me!
--- Calma! Eu vou te matar, mas antes vou deixar meus queridos convidados vir aqui e tirar umas fotos com você, quem sabe se eles pegarem na sua pele acabem vendo que é verdadeira e morram de susto, ah e quem eu mais amava você matou.
--- Não, não... Eu não quero ver mais ninguém, chega! eu vou morrer...
--- Cale-se estúpido, tenho uma alternativa para você.
--- Qual?
--- Você vai precisar responder umas perguntinhas, se eu me convencer de que é verdade eu não deixo mais ninguém te ver.
--- E você vai me matar, não aguento mais.
--- Isso depois, agora vamos.

Nós fomos para Foxville. Depois de algumas horas chegamos. Eu tinha dopado Felix para que ele não tentasse alguma coisa, ou plano de fuga. Tive dificuldade ao tirá-lo do carro, mesmo com muletas era difícil Felix ficar em pé sem a metade de uma perna e sem uma das mãos.
--- Vamos até o túmulo de seus pais agora.
--- O quê? Não sei do que você está falando.
--- Ah é, vou voltar para a festa, ou melhor, fazer outra e te expor seu mentiroso.
--- Não, desculpe, sim, vamos.

Quando chegamos Felix caiu no chão, ele não suportava mais o peso da vida. Ele não queria viver, eu sabia disso.

--- Agora você vai me responder objetivamente algumas perguntas, e cuidado eu saberei se você estiver mentindo.
--- Eu não tenho por que mentir, mas lembre-se do acordo.
--- Como você matou meus amigos?
--- Ah, tem certeza?
--- Objetivo Felix, seja prático e até parece que você quer me poupar de alguma dor, fale ou você já sabe.
--- A primeira foi Mel, ela estava sozinha na gruta, você tinha a deixado fazia uns três minutos quando eu apareci, na verdade eu seguia vocês. Eu cheguei por detrás dela e quando ela percebeu deu um grito. Ela quis correr, mas parece que o tornozelo estava muito machucado, foi fácil pegá-la. Eu peguei a velha foice já conhecida sua...e decepei uma das pernas de sua amiguinha, ela então desmaiou. Depois eu tirei a roupa dela, arranquei seus lindos olhos...
--- Chega, sei o que você fez, eu vi o corpo dela, só queria saber como foi... O que ela falou! Qual sua reação?
--- Ah, entendo. Bom, ela falou algo como, "Meu Deus, socorro...''.
--- Desgraçado, me diga por que você matava as pessoas mutilando-as?
--- Eu queria que elas morressem iguais a mim, sabe, eu morria a cada dia quando via minhas deformações, então queria fazê-los igual a mim. Por isso eu gostava de mutilar, matar, torturar lentamente, as vítimas viam suas deformações, mutilações e eu ficava com muito prazer, eu também gostava de humilhá-las tirando suas roupas.
--- Nojento, escroto... deficiência não é deformação seu animal... falei e dei-lhe um chute na cara, e Josh, como foi?
--- Ah, esse foi divertido matar. Ele estava entrando na barraca quando me viu atrás de uma árvore, o espiando.  Ele deu um grito e começou a dizer que eu era o demônio, coisa do mal e tantos absurdos.  Eu disse a ele o que tinha feito com sua amiguinha e o que iria fazer com você e Gray, depois dele, é claro. Josh veio em minha direção, para me golpear, porém minha perna de madeira deu-lhe um pontapé e ele caiu no chão cuspindo sangue, depois eu decepei alguns de seus membros, e coloquei seu corpo dentro da barraca, fiz questão de colocar a perna mutilada perto do cadáver para você ver.
--- Você sabia que eu voltaria para a barraca, não é?
--- Sim, eu tinha certeza.
--- E Gray, como...?
--- Esse foi mais demorado, eu bati um papo com ele, sobre várias coisas, como bondade, arrependimento, justiça, moral... e sobre você. Eu o encontrei na volta, ele estava indo procurar você quando eu o surpreendi. Ele teve um susto, mas não disse horrores como Josh, mas estava com muito medo, até gaguejava às vezes. Eu falei o que tinha feito com seus amigos para ver sua reação, ele ficou desesperado, quando ia correr eu o empurrei e lhe agredi. Ele tentou me convencer de que isso era errado, que eu tinha que fazer um tratamento, que a Lei iria me punir... Que eu estava perdendo minha alma... Ah, como eu ria dele.

--- Desgraçado, maldito seja você.
--- Deixe-me terminar, Emmy?
--- Continue objetivo, não quero saber o que você sentia, mas o que ele... sentiu, falou?
--- Ele estava caído no chão quando eu tirei minha foice da cintura, quando eu ia corta-lhe vivo, ele me deu um chute e eu caí, ele saiu correndo ganhando tempo. Eu corri atrás dele, porém eu via que ele era rápido, muito mais rápido que eu...e que se eu não fizesse algo depressa, ele fugiria, te encontraria e eu não poderia matá-los. Então eu toquei em seu ponto fraco e falei com essas mesmas palavras: "Você pode até escapar, mas aquela belezinha da Emily será minha vítima e sofrerá em dobro, por você e por ela.". Ele parou de correr e viu meu sorriso, eu disse que mataria você se ele continuasse correndo, ele então me chamou para uma luta. Eu joguei a foice no chão e fui para cima dele. Eu pensava que era mais forte que ele, porém Gray lutava muito bem, tinha a mão mais pesada que a de Estevão, quando vi que ele tinha feito sangue em mim, eu decidi usar um canivete preso em minha perna de madeira. Então num golpe forte eu furei-lhe o pescoço. Ele caiu no chão se debatendo, ele pediu que eu não fizesse nada com você, chorou, implorou, disse que... que te amava muito, que você era a mulher da vida dele...
--- Meu Deus, eu sabia que ele me amava, depois do sonho eu... Seu maldito, desgraçado... oh... 
--- Eu disse a ele que te contaria que ele te amava e como se sacrificou por você, ele poderia ter fugido, mas preferiu tentar me vencer e impedir que eu te fizesse mal, o azar é que eu sou um monstro, e como todos... sou traiçoeiro. Eu o deixei rezar sei lá o que, parecia que ele dizia seu nome quando eu acertei metade de seu crânio com a foice, depois veio os outros membros, a empalação... Isso te deixa mal, para que saber mais?

Eu já não escutava mais o que Felix falava, eu estava alucinada e com muito ódio. Pensei em Estevão, ele queria entregar Felix para a polícia, mas se ele tivesse visto o que eu vi, e escutado isso tudo, talvez mudasse de ideia. Mas não, ele não tinha visto nem ouvido nada, somente eu, e era eu que devia dar o último golpe. Naquela hora Estevão já sabia que eu o tinha enganado, e talvez estivesse a caminho de Foxville com a polícia, e isso não podia acontecer antes de eu matar Felix.

--- Cale-se Felix, já basta. Eu vou te entregar para polícia, menti. Eu mentia ao dizer isso.
--- Não! Você prometeu.
--- Idiota, você acreditou em mim, justo na pessoa que mais te odeia.

Felix começou a chorar, ele nunca tinha chorado na minha frente, acho que nunca tinha chorado antes, pelo menos daquele jeito não. Ele se jogou aos meus pés e por incrível que pareça pediu-me perdão.

--- Sei que você não vai me perdoar nunca, e não deve. Eu não mereço. Mas para você ser melhor que eu, mate-me, se me deixares viver, você estará sendo igual a mim...
--- Nunca vou te perdoar, Felix, mas eu não posso te deixar viver e nem vou, está vendo esse buraco na cova de sua família.
--- Sim, vejo, ia perguntar e esqueci.
--- Você será enterrado nela.
--- Não! Não quero ficar nesta cova com minha família, não quero que os vermes que corroam minha carne, sejam os mesmos que corroeram a de meus pais e irmão... Esses malditos.
--- Você não tem querer, você irá apodrecer aí, sua carne, ossos e órgãos serão carcomidos pelos mesmos vermes que acabaram com sua família. Só que no seu caso será bem diferente.
--- Como assim?
--- Você acha mesmo que eu vou te libertar?
--- Sei que não, e quero a morte.
--- E terá-la, mas lentamente. Lembra-se de quando eu te disse que te mataria de uma maneira mais cruel do que você matou os outros, que você se arrependeria de tudo, de ter nascido, que eu não seria maligna igual a você, que eu seria pior?
--- Lembro-me, você disse que não imitaria meus métodos, que seria mais original.
--- Estou sendo, eu sei que sim. E vou ser mais. Todas suas vítimas morreram miseravelmente, desumanamente, agora é a sua vez, Felix, quando você iria imaginar que eu seria sua vítima algoz hein?
--- Você pode ter se vingado, mas nunca será mais cruel que eu, eu matei todos friamente, me arrependo de tudo, mas é fato.
--- Hahaha, Felix, eu vou te enterrar vivo, você entendeu, vivo, hahaha, os vermes vão corroer você ainda com vida, sua carne vai apodrecer e você vai continuar respirando, hahaha, eu preparei tudo, tudo, você ainda vai respirar por muito tempo, olha, eu não vou tampar todo o buraco, você vai poder ver um pouco do sol, chuva se chover, e gritar a vontade, mas ninguém conhece esse local, e até descobrirem... você já estará no inferno. É, sim, é para lá que você vai desgraçado.
--- Oh não! Você é psicopata, isso é perverso... Não, não quero que seja assim, me mate rápido, por favor... eu...
--- Foi num dia como esse que meus amigos viram a morte, mas hoje é o começo do seu fim de semana mortal, Felix, agora você vai para o limite dos mortos, adeus Felix, nunca mais voltarei aqui.

Dizendo isto eu me aproximei dele, Felix vendo que eu iria empurrá-lo para dentro da cova, quis correr, mas não era possível, ele estava perdido. Eu era mais forte. Peguei-o pelo pescoço, dei-lhe uma forte tapa na cara, que o fez girar, depois que ele soltou um soluço eu o joguei para dentro da cova, ouvi o barulho da queda e o grito de agonia, Felix notara os ''insetinhos'' que eu havia colocado para fazer-lhe companhia nos últimos dias de vida que lhe restavam. Ele gritava, eu ria alto, bem alto, para que ele escutasse, sei que escutou.

Saí dali ouvindo-o agonizar, imaginando sua cara, seu medo e pavor, de ficar ali, enterrado no mesmo túmulo da família, quem sabe ver seus restos em estado de decomposição, e chorar porque na vida tinha conhecido alguém muito melhor em ser pior que ele, eu. Sim, eu. Já estava o sol se pondo quando eu voltei para a casa de Estevão, livre e feliz, depois de muito tempo eu sabia o que era ter paz. Eu me vinguei por completo.

*Não Perca, próximo post, último capítulo*


Lizandra Souza

8 Comentários:

Pâm Possani 23 de março de 2013 19:31  

WOOOOOOOOOOOOOOOOOOOW!Velho como ela foi corajosa e como ele era frio! Cara tonto, velho :C Poxa, nao acredito que ele realmente fez isso com o Gray :S e eles se amava m ;C
Acho que a música desse capitulo seria Sweet Dreams,interpretada pelo Eurythimics rsrs
Ce viu! Um dia ta cheio desses quotes, desses que a gente deveria falar pra um cara que nao dá valor pra gente ahsduhsaudha
Um beeijo!
Pâm
http://interruptedreamer.blogspot.com.br

Pâm Possani 24 de março de 2013 21:14  

Opa, obrigada por ter apreciado, viu? :D
agradeço muito Liza!
um beeijo!

Pâm
http://interruptedreamer.blogspot.com.br

Pâm Possani 25 de março de 2013 10:07  

Opa, obrigada pelo elogio <3 rsrs
viu, O vampiro da Meia Noite vai ter capítulos também?:3 :D
Adorei!
Um beijinho!
Pâm
http://interruptedreamer.blogspot.com.br/

Lizandra Souza 25 de março de 2013 14:08  

De nada *_*
Vai ter sim, só que serão pequenitos se comparados com esses da Emmy, rsrs.
Beijos querida : )

Sabrina Errera 26 de março de 2013 08:28  

Oi Li, tudo bem?
Nossa, que bruto!!!! Ainda bem que ela conseguiu se vingar e lavar a alma, pelo menos por enquanto né....adorei!!!

Participe do Sorteio que está acontecendo no blog, você vai adorar.
http://sabrina-errera.blogspot.com.br/2013/02/sorteio-em-parceria-com-rhanuggi.html
Super beijo,
Sah Errera

Lizandra Souza 26 de março de 2013 13:54  

Oi Sah, tudo bem querida. Obrigada!

Vou participar sim, assim que der vou lá : ) adoro!

Beijos.

Lola Mantovani 26 de março de 2013 20:52  

Adorei, tá chegando o ultimo, ela ta sendo má se igualando a ele, mais todo castigo pra ele é pouco
beijos

Postar um comentário

Obrigada por comentar.

  © Loucuras e Devaneios by Liza

Design by Emporium Digital